terça-feira, 11 de novembro de 2008

Orquestra dos Meninos

Dirigido por Paulo Thiago, "Orquestra dos Meninos" intercala momentos de extrema simplicidade e interpretação quase documental com outros por demais teatrais, quase amadores. Mas, apesar do elenco global entre os papéis principais, há um ar interessante de obra não industrial que que, na maior parte do tempo, é bem vindo.

O roteiro é baseado na história real de um músico pernambucano chamado Mozart Vieira (Murilo Rosa) que, desde criança sonhou em ser músico e conduzir uma orquestra. Influenciado pelo avô, que regia a bandinha local da pequena cidade de São Mariano, no agreste nordestino, Mozart cresce e resolve colocar em prática seus sonhos. Movido por um grande amor à música e muito entusiasmo, ele convence a diretora de uma escola a ceder um espaço para que um pequeno grupo de crianças e adolescentes comece a praticar. Munidos de instrumentos velhos e usados, as crianças começam a aprender Bach, Mozart, Beethoven e Villa-Lobos, e a pegar gosto pela música. Entre as crianças está uma não tão jovem Priscila Fantin, fazendo o que pode para parecer feia e desajeitada, tocando um fagote enorme.

A pequena orquestra de Mozart Vieira começa a fazer tanto sucesso que atrai a atenção de um marketeiro político que a usa para eleger o próximo governador. Em troca, o governador promete construir uma Fundação na cidade e dar instrumentos novos para o grupo de Mozart. Isso acaba atraindo a ira e inveja dos políticos locais, liderados por Moisés (Othon Bastos, com um aviso de "vilão" escrito no rosto desde a primeira cena do filme). Atual prefeito, ele era professor de matemática na mesma escola em que Mozart ensaiava com a orquestra, e vê nele um adversário político. Sem papas na língua, Mozart não quer entrar no jogo de Moisés e acaba conquistando um inimigo perigoso. Um dos garotos da orquestra é seqüestrado, espancado e fica quase cego, e Mozart é acusado de pedofilia e aliciamento de menores.

O filme é melhor quando se concentra na música. Há belas passagens da pequena orquestra interpretando Bach e Villa-Lobos. Mas o roteiro, por vezes, é por demais rasteiro. Há uma personagem feminina, por exemplo, que aparece apenas para gerar ciúme em Priscila Fantin. Um efeito de câmera lenta é usado desnecessariamente, e uma cena de chuva termina com uma declaração de amor não só fora de hora, mas inconseqüente (não vemos resultado nas cenas seguintes). Apesar de certa teatralização, o circo político é plausível e podemos imaginar o que o verdadeiro professor deve ter passado para conquistar o que conseguiu. Nos créditos finais vemos imagens do verdadeiro Mozart Vieira e acompanhamos o destino de muitos de seus músicos, seguidos de uma frase que resume a moral do filme: "o artista só se curva para seu público". Filme irregular, mas bom.


2 comentários:

Ricardo Melo disse...

Só para te lembrar Solimeo, a Orquestra dos Menidos do Agreste tocaram até com o Jarre:

Recuperei isto da nossa lista:

Jarrefans,

Quem não se lembra a algum tempo atrás de um vídeo Seasider que
mostrava as comemorações dos 50 anos da UNESCO em Paris onde o Jarre tocou
"El Dorado" junto com o Kalehd ? Naquela apresentação, estavam presentes
músicos de várias partes do mundo, inclusive um grupo de crianças do
Brasil. Agora eu descobri que se tratava do grupo "Meninos de São Caetano"
de Pernambuco.
Aqui está um pouco da história do grupo :

MENINOS DE SAO CAETANO - PE
Os meninos de São Caetano começaram sua história na estrada da música
cantando e tocando apenas para alegrar a comunidade da pequena São Caetano.
Por conta de uma reportagem, veiculada em 1995 na TV Globo, a banda recebeu
uma série de convites para apresentações em todo País, inclusive do então
presidente da República, Itamar Franco. No mesmo ano, marcaram presença no
cinqüentenário da Unesco em Paris (1995). Apresentações com músicos
consagrados foram constantes, até meados de 2000. Estiveram no palco
com Jean Michel Jarre, além de mestres da MPB, entre eles Ivan Lins,
Gilberto Gil, Dominguinhos e Belchior.

fonte: Diario de Pernambuco

João Solimeo disse...

Interessante, não me lembrava disso. Pra quem não sabe (ou não lembra), Jean-Michel Jarre é um músico francês que foi muuito famoso no Brasil na década de 80, início dos 1990. Ele ficou conhecido por seus shows grandiosos, com muita luz e fogos de artifício, em cidades como Houston, Paris, Shanghai, Hong Kong, Cairo, etc.